Make your own free website on Tripod.com
Reis&Reis


Home
História/Filosofia3
Futebol de 5
Dicas
Photo Album
Temas vários
Outros Temas
My Resume
Favorite Links
Contact Me
História/Filosofia
História/Filosofia1
História/Filosofia2
História/Filosofia3

José nogueira reis - Santa Eugénia, conserva um vasto conjunto de monumentos e sítios arqueológicos autênticos que preservam e perpetuam a memória ancestral de outras ocupações humanas com estádios de desenvolvimento cultural, social, económico e religiosos muito próprios dessas civilização em épocas distintas, em que o legado cultural por elas deixado, que o tempo e a modernidade não conseguiu apagar, faz a história da freguesia nos tempos mais longínquos, desde a Pré-história à Idade Média. Pela inegável importância cultural, turística e didáctica de tal património a Junta de Freguesia, nomeadamente sobre a orientação de José Nogueira dos Reis, vem desde Janeiro de 2002 a implementar uma série de acções no âmbito do estudo/investigação, da recuperação/restauro, da preservação e, finalmente, da divulgação e dinamização das estações e monumentos arqueológicos, tudo para o garante da memória histórica do passado que consubstancia a identidade cultural do povo no presente e, por conseguinte, no futuro. Monumentos e Sítios"Fonte de Mergulho""Lage do Concelho""Cruzeiro""Igreja Matriz""Capela do Cemitério""Capela de Santa Barbara""Casa Basonada""Casa Santos Melo""Centro Social"O monumento e o povoado durante a Pré-história

 

Património Arqueológico

 

 

Santa Eugénia, conserva um vasto conjunto de monumentos e sítios arqueológicos autênticos que preservam e perpetuam a memória ancestral de  outras ocupações humanas com estádios de desenvolvimento cultural, social, económico e religiosos muito próprios dessas civilização em épocas distintas, em que o legado cultural por elas deixado, que o tempo e a modernidade não conseguiu apagar,  faz a história da freguesia nos tempos mais longínquos, desde a Pré-história à Idade Média.

 

Pela inegável importância cultural, turística e didáctica de tal património a Junta de Freguesia, nomeadamente sobre a orientação de José Nogueira dos Reis, vem desde Janeiro de 2002 a implementar uma série de acções no âmbito do estudo/investigação, da recuperação/restauro, da preservação e, finalmente, da divulgação e dinamização das estações e monumentos arqueológicos, tudo para o garante da memória histórica do passado que consubstancia a identidade cultural do povo  no presente e, por conseguinte, no futuro.

 

 

Monumentos e Sítios

 

 

 

Fonte de Mergulho

Lage do Concelho

Cruzeiro

Igreja Matriz

Capela do Cemitério

Capela de Santa Barbara

Casa Basonada

Casa Santos Melo

Centro Social

 

 

 

 

 

 

O monumento e o povoado durante a Pré-história

 

 

 

 

A Força do Transmontano, junta-se,mistura-se,com a
poesia16.gif
Delicadeza do Duriense

É em lugares altaneiros, que as melhores ideias
capelasantaeugenia.jpg
brotam com a simplicidade da nascente

A qualidade é o Lema
casa1santaeugenia.jpg
O Vinho do Porto a sua Paixão

Festa em honra de Santa Eugénia,5070/411
igreja-intsantaeugenia.jpg
É sempre no Penúltimo Domingo de Agosto

Passe as Férias com que sempre sonhou
quintareconco.jpg
Estamos ao seu dispor

Só quem conhece sabe o seu valor
pelourinhosedesantaeugenia.jpg
Aqui concentra-se o «Espirito» de um Povo

A emigração acontece, quando não nos sentimos bem
sedegdesportivo.jpg
No lugar onde nascemos. Fixem-nos, por Favor!!!

Nunca é demais, o que se faz, a quem tanto nos deu
centrodiasantaeugenia.jpg
Estou disponível, para lhes melhorar a qualidade de vida.

Quem teria tido, a nobre ideia de nos por água na
chafarizsantaeugenia.jpg
Povoação!!!???.Que tenha sempre o melhor...

Não deixem cair a memória de um grande povo.
fonteromanasantaeugenia.jpg
Preservem e renovem o espirito deste lugar.

 

 

 

 

 

Alegoria á Carta Constitucional

 

José Nogueira dos Reis - A CARTA CONSTITUCIONAL DE 1826

 

A Carta Constitucional representou um compromisso entre a doutrina da soberania nacional, adoptada sem restrições pela Constituição de 1822, e o desejo de preservar os direitos régios, o que descontentou os vintistas, que eram mais radicais, e os absolutistas, bastante mais conservadores. Acabou, todavia, por ser jurada por todos, incluindo D. Miguel. 

Vigência

A Carta vigorou durante três períodos: 

- o primeiro entre Julho de 1826 e Maio de 1828, data em que D. Miguel convocou os três Estados do Reino, que o aclamaram rei e decretaram nula a Carta Constitucional;

- o segundo iniciou-se em Agosto de 1834, com a vitória do Partido Liberal na Guerra Civil e a saída do País de D. Miguel, e termina com a revolução de Setembro de 1836, que proclama de novo a Constituição de 1822 até se elaborar nova Constituição, o que sucedeu em 1838;

- o terceiro período começa com o golpe de Estado de Costa Cabral, em Janeiro de 1842, e só termina em 1910, com a República. Durante este último período sofreu três revisões profundas, em 1852, 1885 e 1896.

Influências

Não se sabe ao certo quem foi o seu autor, presumindo-se que tenha sido José Joaquim Carneiro de Campos.  Quem quer que fosse utilizou como fontes a Constituição do Império do Brasil, a Constituição de 1822 e a Carta Constitucional outorgada por Luís XVIII de França em 1814. Tiveram ainda influência doutrinal as ideias de Benjamin Constant.

Características

As suas características mais importantes são as seguintes:

1) A carta é uma concessão régia, que não só não afirma, ao contrário da Constituição de 1822, o princípio da soberania popular, como concede ao rei um importante papel na ordenação constitucional;

2) estipula o princípio da separação de poderes que, além dos clássicos três, legislativo, executivo e judicial, passa a ter mais um, o moderador. O poder legislativo pertence às Cortes com a sanção do rei e é exercido por duas câmaras: a dos Deputados, electiva e temporária e a dos Pares, com membros vitalícios, nomeados pelo rei e sem número fixo, sendo os lugares hereditários. O poder moderador, o mais importante, pertence exclusivamente ao rei, que vela pela harmonia dos outros três poderes e não está sujeito a responsabilidade alguma. O poder executivo também pertence ao rei, que o exercita através dos seus ministros.  O poder judicial é independente e assenta no sistema de juízes e jurados;

3) a Carta enumera ainda os direitos dos cidadãos, de que os mais importantes são o direito de liberdade de expressão, oral e escrita, o direito de segurança pelo qual ninguém pode ser preso sem culpa formada, e o direito de propriedade.  Mas não indica quaisquer deveres, o que é bastante significativo.

Embora liberal, ficou longe do espírito democrático da Constituição de 1822.

 

Índice

 
Fontes:
Joel Serrão (dir.)
Pequeno Dicionário de História de Portugal,
Lisboa, Iniciativas Editoriais, 1976

Jorge Miranda (introd.)
As Constituições Portuguesas, de 1822 ao texto actual da Constituição,
4.ª ed., Lisboa, Livraria Petrony, 1977

Outros documentos políticos
A lista completa ordenada cronologicamente.